10 questões que deve conferir

As respostas a estas 10 perguntas deverão orientar o professor na adopção de tecnologias digitais na sala de aula. Destinam-se em particular aos “retardatários”, àqueles que se têm coibido em grande medida de aderir à tecnologia digital na sala de aula. As orientações que se seguem para cada pergunta são uma abordagem ponderada à tecnologia digital, o que não quer dizer que os professores devam automaticamente adoptar a última novidade por receio de “perderem o comboio”.
A tecnologia digital não ajudará na educação – e, de facto, pode ter consequências nefastas e indesejáveis – se não for utilizada com sensatez. Em contextos educacionais, tal sensatez deriva das preocupações pedagógicas e das práticas e filosofias dos educadores que usam essas tecnologias.
A tecnologia digital deve ser analisada e avaliada como parte do “ecossistema de informação” da sala de aula, que há muito alberga tecnologias de todo o tipo.

1. Que impacto tem a tecnologia na ergonomia da sala de aula?
O arranjo espacial das pessoas e das tecnologias é por vezes uma declaração explícita da prática pedagógica. Num espaço de aula tradicional, há filas de secretárias viradas para um estrado à frente. Tal organização física favorece uma pedagogia baseada na prelecção, em que o professor expõe para uma audiência de estudantes que escutam e absorvem a informação. Uma sala de aula com cadeiras facilmente amovíveis, que podem ser organizadas em círculo ou distribuídas pela sala, é adaptável quer a debates gerais, quer a trabalho em pequenos grupos. Do mesmo modo, a organização física das tecnologias na sala deve reflectir as estratégias pedagógicas do professor.
A ergonomia das opções tecnológicas deve coincidir o mais possível com as intenções pedagógicas do professor. Qualquer tecnologia que quebre desnecessariamente este arranjo ou estilo pedagógico do professor não deve ser adoptada Continuar a ler